Edmilson Varejão Neto

Doutorando em Economia pela EPGE/FGV.

O cartão de débito no pagamento do transporte público

No dia 16 de março deste ano, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, vetou o projeto de lei 478 aprovado na Assembleia Legislativa do Estado (Alerj) que previa a possibilidade do pagamento de tarifas de transportes públicos com cartão de débito. A justificativa apresentada se ampara no argumento de que o projeto dispõe sobre meios de pagamento, interferindo, assim, na competência privativa da União de legislar sobre a questão de Direito Civil.

Novo transporte coletivo: incorporar ou combater?

O Uber lançou na semana passada nova modalidade do seu serviço de transporte de passageiros, o Uber Express POOL. Essa modalidade tem como semelhança ao Uberpool o compartilhamento da corrida entre usuários. A diferença é que, enquanto na modalidade POOL a origem e destino são escolhidos pelo usuário, no Express POOL, após a escolha da origem e destino, o aplicativo determina pontos de embarque e desembarque próximos de forma a otimizar a corrida.  É como se fosse um serviço de transporte coletivo com rotas e pontos de parada dinâmicos.

Nova licitação do Maracanã: A razão pode vencer a paixão

O Governo do Estado do Rio de Janeiro anunciou recentemente em entrevista (pela enésima vez) que está prestes a lançar o novo edital de concessão do Maracanã. A licitação anterior, vencida pela Odebrecht, que ficou marcada por escândalos de corrupção envolvendo a empreiteira e o então governador Sergio Cabral, está próxima de ser rescindida.

Inovações tecnológicas aplicadas ao transporte. Regulação para quem?

Muito se fala da revolução tecnológica em curso no mundo. O World Economic Forum (2016)[1] prevê que estamos diante do início de uma revolução que está mudando a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Os autores do documento denominam o conjunto de mudanças tecnológicas de Quarta Revolução Industrial.

Operação Ponto Final e a governança do transporte público

A operação "Ponto Final", deflagrada pela Polícia Federal no Rio de Janeiro, revelou indícios de esquema de pagamento de propinas no setor de transporte rodoviário a políticos do estado nos últimos 25 anos. As suspeitas sobre o setor por parte da imprensa e da população também ocorrem em outras cidades do país. O desafio que se coloca, portanto, é sobre como criar mecanismos de transparência e evitar que novos casos como esse se repitam. 

Como a reforma trabalhista pode ajudar a mobilidade urbana

Duas das principais causas da tarifa elevada dos serviços de ônibus são a configuração das cidades e o hábito dos deslocamentos diários casa-trabalho. Grande parte da população mora distante do seu emprego ou estudo, o que torna necessário longos deslocamentos diários. O local de trabalho/estudo normalmente se concentra em poucas – ou por vezes únicas – localidades comerciais, que convencionamos denominar Centro da Cidade. Para piorar, a maioria das empresas inicia e finaliza a jornada de trabalho aproximadamente na mesma hora.

Subscrever RSS - Edmilson Varejão Neto