Fernando Veloso

PhD em Economia pela University of Chicago. Pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getulio Vargas (FGV) do Rio de Janeiro e professor da Escola de Pós-Graduação em Economia (EPGE) da FGV/RJ. Pesquisador associado do Centro de Estudos em Crescimento e Desenvolvimento Econômico da FGV/RJ. Autor de diversos artigos publicados em revistas acadêmicas nacionais e internacionais nas áreas de crescimento e desenvolvimento econômico, educação e políticas públicas. Foi coorganizador dos livros “Causas e Consequências da Informalidade no Brasil” e “Anatomia da Produtividade no Brasil. É colunista do Broadcast.

Revisitando o paradoxo da produtividade

Em coluna de novembro passado (“O Novo Paradoxo da Produtividade”), comentei o chamado paradoxo da produtividade, ou seja, o fato de que apesar das inovações tecnológicas estarem cada vez mais presentes na nossa vida cotidiana, os indicadores de produtividade nos Estados Unidos e em grande parte dos países desenvolvidos estão em desaceleração desde meados dos anos 2000.

A agenda da produtividade e do emprego

Esta semana o Banco Mundial divulgou dois relatórios importantes. O documento intitulado “Emprego e Crescimento: A Agenda da Produtividade” faz uma análise da evolução e dos determinantes da produtividade no Brasil, e conclui com um conjunto de sugestões de como o país poderia avançar nessa área. O segundo relatório (“Competências e Empregos: Uma Agenda para a Juventude”) aborda o tema da qualificação dos trabalhadores brasileiros.

Ajuste fiscal continua a ser a agenda prioritária

A intervenção federal no Rio de Janeiro decretou a suspensão, e provavelmente o abandono, da tentativa de reformar a previdência este ano por meio de emenda constitucional. No seu lugar, o governo propôs uma lista de 15 projetos, dos quais 12 já se encontram em tramitação no Congresso.

Apesar do mérito de vários projetos da lista, como argumentarei adiante, essa estratégia é equivocada. Embora a situação fiscal de curto prazo tenha melhorado, a dinâmica de médio e longo prazo continua muito preocupante.

Uma proposta de reforma da Previdência do setor público

Enquanto as perspectivas de aprovação da proposta de reforma da previdência enviada pelo governo ao Congresso parecem cada vez menores, uma reunião esta semana de vários governadores com o presidente da Câmara Rodrigo Maia deu início à discussão de uma proposta de criação de fundos de pensão para os regimes dos servidores da União, estados e municípios.

O Novo Paradoxo da Produtividade e o Futuro do Emprego

Enquanto o debate sobre crescimento no Brasil não vai muito além de aspectos relacionados à retomada cíclica da economia, na Europa e nos Estados Unidos o grande tema é o efeito das novas tecnologias de automação e inteligência artificial sobre a produtividade e o emprego. Esse foi um dos principais tópicos discutidos no Fórum Econômico Mundial de Davos, e tem sido foco de inúmeras publicações na mídia e na academia.

Neste texto discutirei essa questão, começando pelo impacto das novas tecnologias sobre a produtividade.

A Agenda de Reformas Microeconômicas do Senado

Em março deste ano, o Senador Tasso Jereissati, presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, criou um grupo de trabalho encarregado de apresentar propostas de reformas microeconômicas.*

Nesta terça-feira, o relatório do Senador Armando Monteiro, coordenador do grupo de trabalho, foi aprovado na CAE (Parecer (SF) 124/2017 ao Requerimento da CAE no. 7, de 2017).

O texto faz um diagnóstico abrangente sobre os determinantes da baixa produtividade do Brasil e apresenta uma agenda legislativa de reformas.

Cenário internacional benigno?

Nas últimas semanas tem ocorrido um ajuste significativo nos preços de ativos de mercados emergentes. Esses movimentos refletem a normalização da política monetária nas economias avançadas.

Duas semanas atrás o Banco da Inglaterra elevou a taxa de juros pela primeira vez em uma década, de 0,25% para 0,50%. Embora o Fed tenha mantido a taxa de juros americana entre 1% e 1,25%, é muito provável um aumento em dezembro.

A explosão dos subsídios desde 2007

O governo enfrenta grande dificuldade de cumprir a meta fiscal deste ano, mesmo após ter elevado a alíquota de PIS/Cofins sobre combustíveis e o volume de recursos contingenciados.Nesse contexto, é bastante oportuna a divulgação recente de uma nota técnica da Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda (SEAE), que calcula o montante dos subsídios concedidos pelo governo federal nos últimos dez anos.

Páginas

Subscrever RSS - Fernando Veloso