Samuel Pessoa

Samuel de Abreu Pessoa. Físico e professor de economia, é pesquisador do IBRE-FGV e sócio da consultoria Reliance.

Política fiscal e sustentabilidade: debate com Manoel Pires

Nós travamos um debate recente com Nelson Barbosa sobre o tema do autofinanciamento da dívida pública. Alguns criticaram nosso artigo afirmando que havíamos criado um espantalho. Nada mal que, para além das referências que citamos, posteriormente Marcio Pochmann tenha defendido que basta crescer para resolver o problema fiscal.

Será que o Brasil está finalmente vacinado contra o populismo econômico?

Como já discutimos mais de uma vez neste espaço, a profunda crise que se abateu sobre a economia brasileira a partir do segundo trimestre de 2014 – a taxa de investimento iniciou seu processo de queda no quarto trimestre de 2013 –, e que acabou por se tornar a segunda maior perda de PIB per capita e a mais longa crise dos últimos 120 anos, resultou do esgotamento de duas dinâmicas.

Hiato de recursos: quando a inflação virá?

A inflação caiu. Fechou 2017 em 2,95% e as expectativas Focus sugerem que fique em 3,9% em 2018. Esta projeção pressupõe que a inflação de alimentos este ano atinja o nível de 4%-5%, “devolvendo” em parte a deflação de 5% do ano passado. Nossa avaliação na FGV IBRE é que a inflação de alimentos ficará na casa de 2%, e que o IPCA fechará 2018 em torno de 3,5%, abaixo do consenso atual do mercado.

As boas surpresas de 2017 e os riscos à espreita em 2018

O evento econômico mais importante do ano recém-terminado foi a calma com que os mercados financeiros absorveram o desastroso acontecimento político de 17 de maio de 2017. Temer saiu vitorioso, mas com grande desgaste do seu cacife político, que resultou no adiamento da reforma da Previdência. Não obstante esse revés, o câmbio e o risco país mantiveram-se relativamente calmos em 2017.

Os juros americanos irão subir, mas como fica o balanço do FED?

Com sinais de que a economia americana está crescendo a 3% anualizados e que a ociosidade do trabalho se reduz, tudo indica que o processo de reinflação da economia dos Estados Unidos não levará mais do que um a dois anos a acontecer – pode, inclusive, ser antes – e o período de operação a juros reais negativos fique para trás já no próximo ano ou no seguinte.

Mas como será a operação da política monetária com um banco central que opera com um balanço tão grande?

Réplica a Bráulio Borges: Essa recessão foi a pior ou segunda pior em 120 anos

Na minha coluna da Folha de domingo, dia 5/11/17, notei que o Comitê de Datação de Ciclos Econômicos (CODACE) divulgou recente relatório estabelecendo que o 4º trimestre de 2016 foi o último trimestre da recessão que começou no 2º trimestre de 2014. Ao todo, foram 11 trimestres de crise, com recuo de PIB entre pico e vale de 8,6%.

O impacto da nova matriz econômica: resposta a Bráulio Borges

Escrevi este artigo em coautoria com meu colega de profissão “Macroeconometrista X”. No texto abaixo, respondemos a post de Bráulio Borges neste Blog do Ibre, e mostramos por que as críticas à nova matriz econômica (NME) não são exageradas.

HAMLET (a Horácio): Renuncia ainda um tempo à bem-aventurança,

E mantém teu sopro de vida neste mundo de dor,

Páginas

Subscrever RSS - Samuel Pessoa