Juliana Carvalho da Cunha Trece

Mestre em Economia Empresarial e Finanças (FGV EPGE) e graduada em Economia (UFF). É uma das autoras do Monitor do PIB-FGV e do IAE-FGV, sendo a responsável pela elaboração mensal destes produtos, atualizações metodológicas e análise das informações.

Produto potencial, hiato do produto e produtividade total dos fatores

Em continuidade ao post publicado neste blog em 3 de abril do corrente ano, este trabalho analisa o hiato do produto (diferença entre o PIB efetivo e o PIB potencial), entre 1980 e o primeiro trimestre de 2019, revisando a série publicada anteriormente e trazendo alguns detalhes ainda não publicados.

Trajetórias de recuperação do PIB per capita e componentes do PIB

No artigo “A recuperação do PIB brasileiro em recessões: uma visão comparativa”, de Gilberto Borça Jr., Ricardo de Menezes Barboza e Mauricio Furtado, publicado recentemente no Blog do IBRE, os autores concluem que se o atual ritmo de crescimento da economia for mantido, a recuperação da economia só ocorrerá em 2023.

Economia continua travada

O PIB brasileiro, recém-divulgado pelo IBGE, cresceu 1,1% em 2018. Apesar de positivo, esse número foi frustrante tendo em vista que a mediana do relatório Focus do Banco Central chegou a ser de 2,92%, no início de 2018. Esse resultado é ainda mais decepcionante quando se constata que, após dois anos de encerrada a recessão, a economia está longe do nível de atividade que apresentava anteriormente.

A complexa questão do deflator do PIB (parte 2)

Este texto é a continuação do post sobre “A complexa questão do deflator do PIB (Parte 1)”, divulgada neste blog em 12/11 (em resposta a colocações do colega Bráulio Borges de que o PIB  brasileiro vem sendo subestimado nos últimos 20 anos, o que estaria ligado ao fato de que o deflator do PIB tem sido superior ao IPCA em média em 1,5%).

E la nave va!

A pouco mais de um mês de se terem os resultados fechados da atividade econômica do ano passado ainda pairam dúvidas sobre a magnitude do inesperado crescimento do PIB em 2017. Sua taxa, provavelmente, será superior ao 1% até recentemente previsto pelos analistas econômicos. Adicionalmente, quando o IBGE anunciar em março esse resultado do PIB de 2017, as taxas de crescimento atualmente previstas para 2018, que rondam os 3%, tenderão a se elevar, a despeito de toda a confusão eleitoral que teremos durante este ano.

Quem diria?

Há um ano e meio o Brasil atravessava uma turbulência política e uma recessão sem precedentes, com grave ameaça de retorno a taxas de inflação de dois dígitos, que em maio de 2016 era de 9,3%. Quem diria que haveria, ano e meio depois do impeachment de Dilma, analistas econômicos reclamando que o Banco Central exagerou e reduziu demais (abaixo da meta) a taxa de inflação.

Subscrever RSS - Juliana Carvalho da Cunha Trece