Boletim Macro: Greve, eleições e ambiente externo: acumulam-se os riscos para a atividade econômica

25/06/2018

O título do último boletim foi “Choque externo e incerteza eleitoral arrefecem retomada econômica”. Poderia perfeitamente ter sido também o deste boletim, pois de lá para cá esses riscos apenas se agravaram. Desde abril, o cenário internacional tornou-se mais desafiador para as economias emergentes, com a elevação da curva de juros dos EUA, a valorização do dólar, a elevação dos indicadores de risco mundial e a saída de recursos dos mercados emergentes.

Além disso, tensões geopolíticas e comerciais também entraram no radar dos investidores. Hoje não é possível descartar uma forte desaceleração no crescimento do comércio internacional. Depois de criar barreiras às importações de produtos de menor peso vindo de países relativamente pouco importantes nos fluxos globais de comércio, como o Brasil, os EUA iniciaram disputas com grandes parceiros, como a União Europeia, a China e seus parceiros do NAFTA. A disputa comercial entre os EUA e a China, em especial, é um fator que tem alimentado as oscilações de mercado, e continua sendo um risco relevante. Veja a edição de junho do Boletim Macro.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do autor, não refletindo necessariamente a opinião institucional da FGV.

Comentários

antonio gomes
Com certeza, com este choque externo e incerteza eleitoral arrefecem a retomada no meio econômico e o risco só pode se agravar neste cenário econômico, e com a disputa do EUA e a China só pode agravar nesse setor, mas com todas as oscilações de comércio internacional não está no bom topo.

Deixar Comentário

Veja também