Silvia Matos

Boletim Macro: Greve, eleições e ambiente externo: acumulam-se os riscos para a atividade econômica

O título do último boletim foi “Choque externo e incerteza eleitoral arrefecem retomada econômica”. Poderia perfeitamente ter sido também o deste boletim, pois de lá para cá esses riscos apenas se agravaram. Desde abril, o cenário internacional tornou-se mais desafiador para as economias emergentes, com a elevação da curva de juros dos EUA, a valorização do dólar, a elevação dos indicadores de risco mundial e a saída de recursos dos mercados emergentes.

Boletim Macro: choque externo e incerteza eleitoral arrefecem retomada econômica

A cena externa tornou-se mais desafiadora para o Brasil desde a última divulgação do Boletim Macro: a curva de juros americana andou para cima, o dólar se valorizou, o petróleo subiu de preço e o apetite pelo risco de “emergentes” diminuiu. Tudo isso é ruim para o Brasil, que terá de conviver com inflação e juros mais altos e confiança e crescimento mais baixos.

Boletim Macro: Brasil em um “novo normal”?

O Brasil parece ter ingressado em uma etapa de menor volatilidade, mas não necessariamente mais reconfortante. A inflação segue surpreendendo favoravelmente, permitindo a queda da taxa básica de juros, para o que também ajuda o ambiente externo de alta liquidez. O relaxamento monetário tem ajudado a impulsionar a atividade econômica, que segue em processo de retomada, mas devagar, sem empolgar.

Boletim Macro Ibre: País se aproxima de momento de decisão

A inflação está controlada, os juros caem e há sinais, ainda que tímidos e incertos, de retomada. A situação fiscal, entretanto, continua muito complicada. No curto prazo, o déficit primário é elevado e não dá sinais de queda significativa. No front estrutural, aproxima-se a hora da verdade da votação em plenário da reforma da Previdência, com o risco de serem aprovadas mudanças muito diluídas em relação à proposta que foi ao Congresso.

Páginas

Subscrever RSS - Silvia Matos