Silvia Matos

Serviços se recuperam, comércio e indústria desaceleram, inflação não dá trégua

No Brasil, como de forma geral no resto do mundo, o último trimestre de 2021 começa com a economia colhendo os benefícios do gradual controle da pandemia da Covid-19, em termos do ritmo da atividade econômica e da geração de empregos. Por outro lado, cresce a preocupação com a alta inflação, que tem se mostrado mais persistente do que muitos, aí incluídos os principais bancos centrais, esperavam até meses atrás.

Com queda na margem, produtividade do trabalho começa a se aproximar da trajetória anterior à pandemia

A recuperação do mercado de trabalho tem ocorrido por meio de ocupações informais e pela volta dos trabalhadores menos escolarizados. Isto contribui para que ocorra uma volta ao padrão de baixo crescimento da produtividade observado no período anterior à pandemia. 

Pandemia cede, mas recuperação mais expressiva da atividade segue desafiante

No Boletim Macro Ibre de julho/2021, mantemos para o 2º trimestre a previsão de crescimento de 0,1% ante ao 1º tri. Apesar disso, revisamos a previsão de crescimento para 2021, de 4,8% para 5,2%. Fatores que merecem atenção são crise hídrica e aceleração inflacionária.

Atividade melhora no curto prazo, mas a aceleração inflacionária antecipa o fim dos estímulos monetários

A experiência internacional sugere que, no Brasil, o terceiro trimestre deve ser marcado por um avanço significativo da vacinação, com repercussões positivas sobre o ritmo e o perfil de recuperação da economia. Mas ainda há riscos pandêmicos, fiscais e inflacionários.

Páginas

Subscrever RSS - Silvia Matos