A “commoditização “ da indústria de transformação não impulsionou as exportações em maio

25/06/2020

O mês de maio confirmou a tendência já observada nos meses anteriores: aumento das exportações para o mercado asiático pautada em commodities e queda para os outros destinos.

(este é boletim do Icomex de junho, referente à balança comercial de maio)

A desvalorização do real num cenário de elevada instabilidade não auxilia um desempenho favorável das vendas externas de produtos industriais, que continuam em queda. A desvalorização da taxa de câmbio efetiva real foi de 40%, entre dezembro de 2019 e maio de 2020, quando alcançou um valor superior aos dos meses turbulentos entre meados de 2015 e início de 2016  (Gráfico 1). No início de junho, o câmbio valorizou, o que mostra o cenário atual de instabilidade.

O saldo da balança comercial foi de US$ 4,5 bilhões em maio, abaixo US$ 1,1 bilhões do valor de maio de 2019. No acumulado do ano até maio, o saldo foi de US$ 15,5 bilhões, resultado inferior em US$ 4,8 bilhões a igual período de 2019. A piora na balança é explicado pela queda mais acentuada das exportações (-7,2%) em relação às importações (-2,5%) na comparação interanual do acumulado até maio.

Observa-se, porém, que os dados de importações foram afetados pelas plataformas de petróleo em maio de 2020. Essas operem no país, porém eram registradas em subsidiárias da Petrobras no exterior para obtenção de isenções fiscais. Com a instituição do regime aduaneiro especial Repetro-Sped, em 2018, as plataformas têm sido nacionalizadas, o que influencia o valor das importações. Sem as plataformas, as importações em maio teriam recuado em 29% e o saldo seria de US$ 7,3 bilhões, o maior saldo desde 2018. O saldo seria maio, mas explicado pela queda das importações puxada pela retração da atividade econômica.

Após registrarem queda no volume entre os meses de abril de 2019 e 2020, o volume exportado aumentou 4,1% e o importado, 0,9% na comparação interanual dos meses de maio (Gráfico2). Observa-se, porém o efeito das plataformas de petróleo nas importações. Excluindo esse item, o recuo nas importações foi de 19,6%. em volume. A maior queda, desde abril de 2016, na série que analisa as importações exclusive plataformas.

No acumulado ano até maio, as exportações recuaram 1,5% e as importações aumentaram 4% - mas recuaram 0,9%, se excluirmos as plataformas.

O aumento do volume exportado é explicado pelas commodities (Gráfico 3), que aumentaram 23,7% na comparação entre os meses de maio e 10,9%, na comparação interanual do acumulado até maio. Em termos de valor, as exportações de commodities caíram 1,5% e aumentaram 4%, respectivamente entre os meses de maio e no acumulado do ano até maio. Ressalta-se que o aumento no volume tem sido compensado pela retração dos preços em maio (-20,5%) e no período de janeiro/maio (-5,2%), o que explica o comportamento do valor.

As vendas de não commodities caem na comparação de maio (-27,7%) e no acumulado (-20,3%), com queda de preços em ambos os casos.

Clique aqui para ler o artigo completo.


As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do autor, não refletindo necessariamente a opinião institucional da FGV.

Deixar Comentário

Veja também