Inflação do Carnaval da FGV aponta maiores altas na variação de preços do etanol e da gasolina

20/02/2020

As capitais brasileiras têm registrado sucesso no pré-carnaval de rua, com aumento dos foliões nos blocos, que por sua vez fazem a alegria dos ambulantes. Quem optou por aproveitar a festa onde mora, além de se divertir pode gastar menos. Levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE) apontou que a inflação do Carnaval ficou em 4,29%, entre fevereiro de 2019 e janeiro deste ano, levemente mais alta que a inflação do período (4,13%, IPC/FGV). Os vilões foram os combustíveis: o etanol subiu 12,17% e a gasolina aumentou 7,32%. Deixar o carro em casa então parece ser um bom negócio.

Se o folião preferir viajar, o melhor é optar pelo transporte público: as passagens de ônibus interurbano subiram apenas 1,58% e as passagens aéreas variaram negativamente (-7,56%). No quesito bebidas fora de casa, cerveja e chopp (4,33%), refrigerantes e água mineral (3,72%) e outras bebidas alcóolicas (1,06%), essas últimas em menor percentual, tiveram elevação.

Segundo o economista André Braz, coordenador do IPC do FGV IBRE e responsável pelo levantamento, é importante planejar e ficar atento aos gastos na rua, mesmo quem não for viajar. “Se a família optar por não se deslocar, ajuda saber quanto tem no bolso para gastar por dia na rua. Comer e beber fora de casa, apesar de a inflação não estar pressionando tanto, pode pesar no orçamento. Vale manter o bom senso e, se der, carregar alguma bebida ou petisco de casa. Sempre é possível economizar”.

Os sanduíches variaram em 4,23%, enquanto sorvetes subiram 3,71%. Já outros serviços de alimentação fora de casa e hotelaria não registraram mudanças significativas nos preços nos últimos 12 meses, e também acumulam alta abaixo da inflação: refeição em bares e restaurantes (3,64%) e hotel (3,90%).

Outros itens aparecem na inflação de Carnaval calculada pelo FGV IBRE, como analgésico e antitérmico (6,54%) e gastroprotetor (4,97%), que subiram no período. Já os protetores de pele (2,31%) registraram elevação abaixo da inflação. O economista alerta que, assim como nas finanças pessoais, não é bom abusar da saúde. “Nós incluímos esses itens, porque são muito consumidos no período, mas é claro que a máxima “beba com moderação” deve prevalecer para que todos possam aproveitar melhor os dias de folia. 

Acesse mais informações no Portal IBRE

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do autor, não refletindo necessariamente a opinião institucional da FGV.

 

Deixar Comentário

Veja também