A série nova de emprego formal do CAGED não deve ser comparada com a antiga

23/03/2021

Neste texto quero chamar atenção para uma prática que considero errada e que vem sendo adotada pelo Ministério da Economia no que tange a divulgação dos dados mensais do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED). A prática consiste em comparar os dados da nova série do CAGED, iniciada em janeiro de 2020, com os números da série antiga, que se encerrou em dezembro de 2019. Esse tipo de comparação pôde ser vista, por exemplo, na última divulgação do CAGED, que trouxe os dados de janeiro de 2021.

Naquela divulgação, o Ministério da Economia afirmou que o saldo de geração de empregos formais de janeiro de 2021 foi o maior para o referido mês desde 1992 (melhor saldo em 30 anos). A princípio essa prática, de comparar a séria antiga do CAGED com a nova, pode parecer pouco preocupante. Porém, caso a nova série do CAGED seja muito distinta da antiga, compará-las sem o devido cuidado pode conduzir a erros graves.

Felizmente, o próprio Ministério da Economia fornece dados, referentes ao período de abril a dezembro de 2019, que permitem a realização de uma comparação entre as duas séries, a antiga e a nova, do CAGED. Os dados dessas séries são apresentados na tabela abaixo. Para simplificar a referida tabela apresenta apenas os saldos de geração de empregos formais de ambas as séries. Isso porque os dados de admissões e desligamentos complicariam a análise realizada aqui e não agregariam muito em termos das conclusões obtidas.

A tabela mostra que o saldo CAGED da série antiga foi, em abril de 2019, igual a 125.247. Isso significa que, segundo a série antiga do CAGED foram gerados, no mês de abril de 2019, mais de 125 mil empregos formais. Porém, preocupantemente, no mesmo mês de abril de 2019 a série nova do CAGED sugere que houve geração muito maior de empregos formais. Mais precisamente, a série nova aponta uma criação de 192.033 empregos formais em abril de 2019.

Logo, a tabela mostra que houve uma criação de 66.786 empregos formais a mais na série nova, em abril de 2019, do que o verificado na série antiga. Em termos percentuais isso significa um saldo 53,3% maior na série nova comparativamente a antiga.

A diferença mencionada acima é bastante expressiva. Mas não necessariamente significa que as séries sempre produzem números distintos. Pode se tratar apenas de um caso isolado. O problema é que o restante da tabela mostra que as diferenças são a norma e não a exceção.

Em maio de 2019 a série nova apresenta uma geração de postos formais de trabalho que chega a ser 361,0% maior do que aquela encontrada no mesmo mês para a série antiga. A última linha da tabela apresenta os saldos acumulados, de abril a dezembro de 2019, para ambas as séries. Novamente, as diferenças são grandes.

Mais precisamente, o saldo acumulado de abril a dezembro de 2019 na série antiga é igual a 410.842 e na série nova é igual a 715.169. Logo, a série nova sugere que, entre abril e dezembro de 2019, houve uma geração de 304.327 empregos formais a mais do que o observado na série antiga. Isso representa 74,1% empregos a mais na série nova.

Os números apresentados aqui reforçam a ideia de que as duas séries do CAGED, a antiga e a nova, são muito distintas. Logo, esse texto ajuda a ilustrar por que a prática que vem sendo adotada pelo Ministério da Economia de comparar a série antiga, e a nova, do CAGED parece ser inadequada.

Para encerrar, minha sugestão é comparar as próximas divulgações do CAGED apenas com os dados da série nova, iniciada em janeiro de 2020. Dados anteriores a janeiro de 2020 pertencem a série antiga do CAGED que, como visto aqui, possui números muito distintos para serem comparados com a série nova.


As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do autor, não refletindo necessariamente a opinião institucional da FGV.

Comentários

Daniel
Bom dia. Há um bom motivo para essa mudança no CAGED? É muito frustrante ter que jogar fora bons modelos preditivos por causa disso. Lembro quando teve a descontinuidade da PME, mas naquela época pelo menos eles fizeram uma série retroativa de tamanho razoável, mas agora com esse novo CAGED a série retroativa é muito curta para ser útil...
Bruno Ottoni
Caro Daniel. Há sim um motivo para a mudança que foi realizada pelo governo (o planejamento de realização dessa mudança é inclusive anterior ao governo Bolsonaro). Pelo que sei o objetivo do governo era de simplificar o processo de coleta desses dados tornando-o completamente digitalizado. Isso, foi feito a partir da mudança do método de coleta que passou a utilizar a plataforma do e-Social. Outra vantagem de mudar o método de coleta, passando a utilizar o e-Social, é o fato de que permite a concentração das informações do mercado de trabalho em uma única plataforma. Então existem motivos para as mudanças que foram feitas e, a meu ver, os motivos são nobres. Dito isso, concordo que teria sido uma boa prática manter as duas séries, antiga e nova, sendo publicadas durante um período de alguns anos. Porém, isso não ocorreu. Infelizmente, agora temos que lidar com essa quebra abrupta dos dados. Atenciosamente, Bruno.
Lorena
Bruno, boa tarde e parabéns pelo texto! Entendo que houve mudança no método de coleta, em especial pelo uso do e-Social. Mas gostaria de saber, na prática, o que estamos considerando agora que não considerávamos anteriormente para que a diferença seja tão grande?
Mateus
Os dados da tabela estão disponíveis no repositório da PDET ou são os dados da nota técnica da substituição da captação dos dados do Caged pelo eSocial?
Bruno Ottoni
Caro Mateus. Os dados que utilizei nesse post foram retirados da nota técnica da substituição da captação dos dados do CAGED pelo E-Social. Pelo que sei, esses dados não estão disponibilizados no repositório da PDET. Ou seja, trata-se apenas de dados que foram disponibilizados de forma agregada na nota técnica que mencionei. Espero ter ajudado. Atenciosamente, Bruno.
Glauco
Bruno, boa tarde! Se entendi bem os dados do seu post foram extraídos do anexo 2 da nota técnica. Fiz um exercício consultando a base de dados online no caged do repositório da PDET. Mesmo ajustando a série para as informações fora de prazo, não consigo chegar nos mesmos dados do anexo 2. Por exemplo, em abril de 2019, obtive os seguintes dados: Admitidos: 1.374.628 + 48.915 (Fora do prazo) Desligados: 1.245.027 + 42.132 (Fora do prazo) Saldo: 129.601 (sem ajuste) e 136.384 (somando as informações enviadas fora do prazo).

Deixar Comentário

Veja também