Bruno Ottoni

Pesquisador do IDados e do IBRE/FGV. Formou-se em Economia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Fez mestrado e doutorado em Economia na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Pesquisa na área de Microeconomia Aplicada com ênfase em Economia do Trabalho.

Previdência: esqueça o déficit, o melhor é olhar para o gasto

A Reforma da Previdência é a atual meta prioritária do governo do presidente Bolsonaro, além do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Diante dessa agenda, no entanto, há um intenso debate sobre o chamado “déficit da previdência”, que, enquanto muitos defendem que existe e é crescente, outros afirmam que, considerando outras receitas vinculadas ao Orçamento de Seguridade Social e Saúde, o sistema só teria se tornado deficitário recentemente, devido à perda de receitas causada pela crise econômica.

É justo o rico se aposentar antes do pobre?

Um tema bastante polêmico, envolvendo a reforma da previdência, é o estabelecimento de uma idade mínima de aposentadoria. Os críticos dessa medida argumentam que a criação de uma idade mínima de aposentadoria representa uma grande injustiça com os pobres – que já enfrentam muitas dificuldades ao longo da vida laboral – dado que obriga esta parcela mais vulnerável da população a se aposentar muito tarde.

Proporção de intermitentes e parciais: melhor esperar até que números fiquem menos voláteis

Passados um ano e dois meses da reforma trabalhista, voltamos a analisar a proporção de trabalhadores intermitentes e parciais em relação ao total do CAGED. Nossa motivação inicial para fazer esse acompanhamento foi reportagem da revista Carta Capital que, a nosso ver, exagerou a verdadeira relevância dos novos contratos trabalhistas.

Os impactos da reforma trabalhista brasileira

A reforma trabalhista, em vigor desde novembro de 2017, altera inúmeros aspectos da legislação trabalhista brasileira. Entre as principais alterações se encontram a permissão por lei da prevalência do negociado sobre o legislado (válido para negociações coletivas) e a criação de novos contratos de trabalho, tais como o intermitente e o de tempo parcial. Em geral, a reforma representa uma expressiva flexibilização da legislação trabalhista brasileira.

Por que existe tanta informalidade entre os brasileiros que trabalham em tempo parcial?

O trabalho em tempo parcial é muito comum no Brasil. Para se ter uma ideia da relevância destas jornadas reduzidas em nosso país, que compreendem menos de 40 horas de trabalho por semana, basta dizer que existiam, no último trimestre de 2017 (dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), quase 25 milhões de brasileiros empregados em tempo parcial (ver tabela 1). Destes, apenas uma minoria se dizia insatisfeita com o número de horas trabalhadas.

A ciência e o crescimento econômico brasileiro

Na esfera do debate público predominam dois tipos de argumento, que são: (i) o opinativo e (ii) o científico. O primeiro tem natureza bastante abrangente. Pode tanto ser sincero quanto desonesto. Por um lado, em muitos casos o argumento opinativo parte de um observador bem-intencionado, que utiliza a lógica juntamente com alguns casos conhecidos, para extrair conclusões e propor soluções.

Páginas

Subscrever RSS - Bruno Ottoni