Política Fiscal/Orçamento

Consequências do Bolsa Família fora do teto por mais de um ano

22 nov 2022

Retirar o Bolsa Família do teto de gastos para além de 2023 irá desancorar as contas públicas independente da regra fiscal vigente. Excluir o benefício por um ano e discutir a próxima âncora é a estratégia ótima no momento.

A pandemia da Covid-19 levou o Brasil a realizar políticas monetária e fiscal expansionistas, sem precedentes, culminando em forte processo inflacionário. Os mais pobres foram os mais afetados, dado que a alta de preços se concentrou na cesta de alimentação e energia, principalmente depois do conflito na Ucrânia.

Essa experiência levou o Brasil, assim como dezenas de países ao redor do mundo, a abrir exceções em suas regras fiscais para aliviar tais impactos sobre o bem-estar da população. Logo, há uma oportunidade de se rediscutir o arcabouço fiscal, o que deveria ter sido feito pelo atual governo ainda em 2020, dada a necessidade de maior nível de gastos advinda da pandemia.

Estabelecer uma regra fiscal crível que acomode as necessidades e mostre que a dívida pública é sustentável, explicitando uma forma crível de financiamento da expansão de gastos proposta, é condição básica para estabilidade e previsibilidade. Com isso, abriremos espaço para praticarmos taxas reais de juros menores e a viabilização de vários projetos de investimento, que gerarão mais empregos e renda para população.

Nesse sentido, o objetivo desta nota é mostrar que retirar o programa social do teto dos gastos públicos por quatro anos ou indefinidamente torna a discussão da regra fiscal inócua e tornará o governo do presidente Lula desancorado fiscalmente. Se o presidente Lula quiser um governo com estabilidade e previsibilidade, deverá discutir a expansão do Bolsa Família num contexto de discussão da nova regra fiscal e estabelecer tal retirada do teto por apenas um ano.

Leia o artigo completo aqui. 


As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva dos autores, não refletindo necessariamente a opinião institucional da FGV. 

Deixar Comentário

To prevent automated spam submissions leave this field empty.