Os impactos do Coronavírus nas empresas e nos consumidores

01/04/2020

O primeiro caso de coronavírus no Brasil foi divulgado em 26 de fevereiro. De lá até o dia 15 março, a possibilidade de tomada de medidas mais sérias frente a um provável surto foram ganhando força gradualmente até o dia 15 de março, quando ultrapassamos a marca de 100 casos reportados no país. A partir de então, quase todas os Estados do país passaram a adotar medidas de restrição à circulação, à abertura de estabelecimentos comerciais, além de proporem o distanciamento social.

Antecipando a possibilidade de que o quadro evoluísse desta forma, como previam especialistas, a FGV IBRE incluiu tópicos especiais nas sondagens para entender o impacto da pandemia no dia a dia de consumidores e de empresas da indústria, de serviços e do comércio.

Foram consultados 1700 consumidores entre os dias 01 e 19 de março. Destes, 81,4% afirmaram que o impacto da pandemia será forte ou moderado para a economia brasileira nos próximos meses, ainda que dois terços das respostas tenham ocorrido antes da paralisação de escolas e do comércio; 15% esperavam que a pandemia não tivesse impacto algum ou que ele seria fraco.  A proporção dos que dos que acreditavam que não haveria impacto ou que não sabiam responder decresce conforme o nível da renda. Ou seja, o maior percentual dos que não acreditavam que a economia seria impactada ou que não sabiam responder era maior para os consumidores quanto menor o seu nível de renda (Tabela 1).

Tabela 1 – Expectativa dos consumidores sobre o impacto da pandemia
na economia brasileira nos próximos meses (em %)

Renda familiar mensal

Forte

Moderado

Fraco

Nenhum

Não sei/ Não quero responder

Geral

43.3

38.1

10.7

4.7

3.2

Até R$2.100,00

46.7

24.6

12.6

8.3

7.8

Entre R$2.100,01 e R$4.800,00

45.9

35.5

10.0

5.4

3.2

Entre R$4.800,01 e R$9.600,00

40.9

45.8

9.2

3.0

1.1

Mais de R$9.600,01

40.0

45.6

10.9

2.5

1.0

Fonte: FGV IBRE
 

Entre as empresas, a enquete confirma o que já era esperado: o impacto em março foi relativamente concentrado. Espera-se que nos próximos meses os efeitos da crise terminem atingindo quase todos os setores.

A coleta realizada entre os dias 01 e 25 de março mostra que apesar das medidas restritivas terem se iniciado a partir do dia 15, mais de 30% das empresas em todos os setores já percebiam o efeito da pandemia nos seus negócios, principalmente a indústria e comércio com 43% e 35% das empresas respectivamente. A expectativa das empresas para os próximos meses é menos favorável: 68,5% das empresas da Indústria previam ser impactadas pela crise, 59,1% do Comércio e 49,7% de Serviços (49,7%). Neste último setor, é possível que as empresas não percebessem, no início do período, como a política de isolamento afetaria seus negócios.

Gráfico 1 – Percepção e expectativas das empresas sobre impacto
da pandemia na atividade (proporção de respostas em %)

Fonte: FGV IBRE

Na indústria, os segmentos que se mostram mais afetados pela pandemia no mês foram: Petróleo e biocombustíveis (88,3%) e Química (61,4%). Para 90,7% das empresas do segmento de Petróleo, o principal fator a afetar seria a demanda externa reduzida e para 83,1% dos produtores químicos seria o fornecimento de insumos importados. Em relação aos meses seguintes, 15 dos 19 segmentos pesquisados apresentam percentuais acima de 50% de empresas se dizendo impactadas pela crise. Entre os segmentos que esperam ser mais afetados estão: máquinas e materiais elétricos (91,5%), petróleo e biocombustíveis (90,5%), limpeza e perfumaria (90,2%), informática e eletrônicos (89,4%), couros e calçados (85,9%), veículos automotores (82,7%) e metalurgia (82%). Para a maior parte dos segmentos, a principal preocupação das empresas é com o fornecimento de insumos importados. Dentre estes, os produtores de bens de consumo duráveis são os mais preocupados (86,6%). A demanda reduzida interna e externa foram os mais citados a seguir (37,4% e 37,0%, respectivamente), sendo puxadas pelas empresas de bens intermediários, que registraram 47,4% e 51,5%, na mesma ordem. A paralisação por problemas de saúde foi citada por 23,0% das empresas, tendo maior incidência nos produtos de bens de consumo não duráveis (34,6%).

O segmento do vestuário registrou o menor impacto em suas atividades:  apenas 26% das empresas, número inferior ao de segmentos considerados essenciais como alimentos e farmacêuticos, em que mais de 40% das empresas esperam ser impactadas pela forte desaceleração econômica motivada pelo surto.

Gráfico 2 – Tipos de impactos na atividade das empresas industriais (em %)

Fonte: FGV IBRE

Em linha com o resultado da indústria, no comércio os segmentos mais impactados são em parte ligados a revendedores de bens duráveis e semiduráveis. Segmentos com maiores percentuais foram Veículos, motos e peças (46,4%), material para construção (39,9%) e tecidos, calçados e vestuário (37,2%). Apenas 18,0% das empresas de hiper e supermercados reportaram problemas em março, o que sugere algum efeito do isolamento, considerando que as pessoas precisavam abastecer suas casas para que pudessem se manter em casa.

Tabela 2 – Empresas impactadas pela pandemia de coronavírus – Comércio (em %)

Segmentos

Empresas que afirmam que atividade está sendo afetada em março (em %(

Empresas que acreditam que sua atividade será ou continuará sendo afetada nos próximos meses (em %)

Varejo Ampliado

35,4

59,1

Veículos, motos e peças

46,4

71,6

Material para Construção

39,9

51,4

Varejo Restrito

33,0

58,2

Hiper e supermercados

18,0

49,1

Tecidos, vestuário e calçados

37,2

74,7

Móveis e eletrodomésticos

31,9

71,5

Outros produtos varejistas

38,8

54,7

Fonte: FGV IBRE
 
Em relação aos próximos meses, seguindo a tendência de outros setores, os percentuais aumentam para todos os segmentos, com destaque para tecidos, vestuário e calçados (74,7%) em que 60,5% esperam redução de demanda  por conta da pandemia, indo em sentido contrário do que espera a indústria. Além dele, veículos automotores (71,6%) e móveis e eletrodomésticos (71,5%). Vale ressaltar o setor de hiper e supermercados, com o menor impacto nos próximos meses, sugerindo que a demanda por produtos básicos, como alimentos e bebidas, pode contribuir para reduzir o impacto no setor, apesar disso, o segmento, assim como os demais, se preocupa com problemas que possam vir ocorrer na produção ou entrega por parte de fornecedores (73,4%).

No comércio, a necessidade de paralisação por questão de saúde de colaboradores é mais citada do que nos demais setores (34,5%) com uma influência maior no segmento de hiper e supermercados (44,6%) possivelmente pela necessidade de se manter comércio aberto para suprir as famílias.

Gráfico 3 – Tipos de impactos na atividade das empresas do comércio (em %)

Fonte: FGV IBRE

O setor de serviços aparece como setor com menor preocupação até o momento. Apesar disso, em alguns segmentos do setor, é possível notar uma grande preocupação com os impactos da pandemia na atividade da empresa nos próximos meses principalmente no segmento transportes, serviços auxiliares e correios (62,9%), onde estão as companhias aéreas, ferroviária, metroviárias e de correios e por prestadoras de serviços às famílias (54,5%), onde empresas de alojamento e alimentação projetam ser mais afetadas.

Tabela 3 – Empresas impactadas pela pandemia de coronavírus – Serviços (em %)

 

A atividade da empresa já está sendo impactada

A atividade da empresa será (ou continuará sendo) impactada

Serviços

30.2

49.7

Serviços prestados às famílias

35.2

54.5

Serviços de informação e comunicação                        

35.9

53.1

Serviços profissionais, administrativos e complementares    

24.2

39.7

Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio  

34.0

62.9

Atividades imobiliárias

29.4

50.5

Serviços de manutenção e reparação

23.3

39.3

Outras atividades de Serviços

24.1

34.7

Fonte: FGV IBRE

Entre os fatores que contribuem para essa expectativa mais negativa é a redução da demanda sendo citado por 68,8% das empresas, com destaque nas empresas de serviços imobiliários e de transporte (84,1% e 78,2%, respectivamente). O segundo fator mais citado foi a paralisação das empresas por questão de saúde (42,5%) influenciado por serviços de informação e comunicação e profissionais, administrativos e complementares (52,1% e 49,5%, respectivamente). Problemas no fornecimento de insumos foi assinalado por 22,3%, sendo muito influenciado pelo segmento de serviços de manutenção e reparação (50%).

Gráfico 4 – Tipos de impactos na atividade das empresas de serviços (em %)

Fonte: FGV IBRE

O cenário para os próximos meses causa preocupação para empresas e consumidores. O impacto econômico mundial já está anunciado os efeitos sociais e no bem-estar das pessoas serão grandes. Observa-se uma queda da confiança em todos esses setores, cautela dos consumidores. A incerteza no momento em relação a velocidade da disseminação do vírus nas próximas semanas e quais ações serão tomadas para contê-lo podem agravar a situação que já é crítica.


As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade exclusiva do autor, não refletindo necessariamente a opinião institucional da FGV.

Comentários

Luiz Mauro Lebelem
Muito bom o conteúdo desse artigo ! Parabéns ! Quando puderem, por gentileza, me encaminhar outros artigos, agradeço desde já ! Att., Luiz Mauro Lebelm
Isaque Neves Na...
Excelente conteúdo apresentado, parabéns aos autores.
Neuzirene sousa
Conteúdo muito bem elaborado, foi de grande valia para minha pesquisa. Obrigada! Atte. Neuza.

Deixar Comentário

Veja também