José Júlio Senna

José Júlio Senna é Ph.D. em Economia pela The Johns Hopkins University (1975). Foi professor da Escola de Pós-Graduação em Economia (EPGE/FGV) nas décadas de 1970/80. Diretor executivo de instituições financeiras nos anos 80 e 90. Diretor da Dívida Pública e Mercado Aberto do Banco Central (1985). Foi sócio-diretor da MCM Consultores Associados de 1999 a 2012. Membro do conselho diretor da FGV de 1997 a 2012. Desde 2013 chefia o Centro de Estudos Monetários do FGV/IBRE. Dentre outros livros, é autor de Política Monetária – Ideias, Experiências e Evolução (Editora FGV, 2010) e Os Parceiros do Rei (Topbooks, 1995).

Razões para rejeitar aumento de impostos

Nos últimos 20 anos, o gasto primário do governo central cresceu a um ritmo médio de 5,3% a.a., em termos reais, ritmo esse obviamente insustentável. Mais recentemente, o resultado líquido das contas primárias tornou-se deficitário, enquanto a trajetória da dívida pública mostra-se nitidamente explosiva. Urge, portanto, que se altere o comportamento da despesa pública, procurando-se conter, inclusive, os chamados gastos tributários, de maneira a tornar significativamente positivo o resultado primário. Caso contrário, a dívida governamental tornar-se-á impagável.

Sobre as preocupações com a inflação nos EUA

Cedo ou tarde, os estímulos dados à economia americana acabariam levando a inflação para a meta de 2,0% a.a., perseguida pelas autoridades monetárias. O processo está em curso. Na realidade, como veremos a seguir, a meta oficial poderá mesmo ser ultrapassada, já agora em março (número a ser divulgado em 30/04), podendo assim permanecer pelo menos por alguns meses. Isso se explica, em parte, por uma espécie de efeito base, pois foram particularmente baixas as taxas de variação do PCE entre fevereiro e julho do ano passado.

E se as condições financeiras internacionais se alterarem?

Para muitos analistas, é surpreendente o comportamento recente dos mercados financeiros nacionais. Bolsa em alta, cotação do dólar bem-comportada, risco país em patamar baixo. A surpresa tem a ver com o contraste entre esse quadro e a nossa precária situação fiscal, agravada pela falta de perspectiva de aprovação da tão esperada reforma da Previdência. Isto para não falar no intrincado panorama político.

Luz amarela na cabine do Banco Central

Uma luz amarela acendeu na cabine de comando da autoridade monetária. Como acontece no dia a dia de qualquer banco central, seus dirigentes estão sempre de olho nos sinais emitidos pelos participantes de mercado. E é conveniente que operem dessa maneira, pois tais sinais revelam o pensamento dominante do mercado acerca da política monetária em curso.

Política monetária e condições financeiras

Política monetária afeta o desempenho de determinada economia por meio de seus efeitos sobre os preços de certos ativos financeiros e sobre as condições nos mercados de crédito. São os chamados canais de transmissão da política monetária. Ao manipular a taxa básica de juros, com objetivo de influenciar o comportamento da economia, banqueiros centrais procuram alterar as condições prevalecentes nos mercados financeiros. O problema é que, de modo geral, a relação entre os juros de política monetária e as chamadas condições financeiras está longe de ser estável.

Fim da era de farta liquidez global?

Numa época em que os juros internacionais se tornaram tão baixos e o mercado acionário se mostra aquecido, particularmente nos Estados Unidos, é natural que muitos se preocupem com eventual correção abrupta do rumo das políticas monetárias nas economias centrais. Preocupação perfeitamente compreensível. Afinal, mudanças fortes e repentinas no terreno monetário costumam realmente provocar significativas perdas financeiras, em especial quando os preços de ativos se encontram elevados.

A crise política e o caminho da taxa de juros

A atual crise política poderá ter consequências importantes para a condução da política monetária. A curto prazo, o ritmo de flexibilização monetária poderá ser alterado, comparativamente ao anteriormente previsto. A prazo mais longo, o ponto final do atual ciclo de baixa do juro básico também poderá ser distinto do imaginado antes da crise. 

Qual será a meta de inflação de 2019?

O Banco Central do Brasil (BCB) puxou a discussão. Até o final do próximo mês de junho é o prazo de que dispõe o Conselho Monetário Nacional (CMN) para definir a meta de inflação para o ano de 2019. Disso os economistas e profissionais de mercado sabiam. O que ainda não estava claro era se o BCB estaria ou não disposto a definir um novo objetivo de crescimento dos preços. O Banco Central avisou que sim. Esclareceu que a discussão está na mesa.

Subscrever RSS - José Júlio Senna