Claudio Considera

A complexa questão do deflator do PIB (parte 2)

Este texto é a continuação do post sobre “A complexa questão do deflator do PIB (Parte 1)”, divulgada neste blog em 12/11 (em resposta a colocações do colega Bráulio Borges de que o PIB  brasileiro vem sendo subestimado nos últimos 20 anos, o que estaria ligado ao fato de que o deflator do PIB tem sido superior ao IPCA em média em 1,5%).

O consumidor deve ter voz e voto no Cade

A economia política nos ajuda a explicar por que, a despeito de a política antitruste no Brasil ter sido implantada desde 1994 e modernizada em 2011, ela nem sempre foi focada nos objetivos tradicionais da teoria que enfatiza a eficiência econômica e o bem-estar do consumidor. Ajuda também a explicar por que o receio de que seu quadro de juízes (o plenário do CADE), com duas raras exceções, não necessite ser “capturado” pelos processados, já que são por eles próprios nomeados.

A soberania do consumidor e o cadastro (im)positivo

O governo, através do Ministério da Fazenda, está patrocinando o projeto PLP 414/2017, que trata do cadastro positivo, tornando a participação do consumidor obrigatória. Os envolvidos na articulação do projeto de lei lembram que o cadastro positivo já existe, mas por ser optativo teve adesão de apenas 5 milhões de consumidores.

Ínicio da retomada pode se reverter

O Brasil está há nove dias praticamente parado. Os caminhoneiros, ao paralisarem o transporte e bloquearem estradas, estão causando transtornos ao processo produtivo de forma generalizada. Há perdas na agropecuária, na Indústria, nos Serviços. Com isso, o PIB brasileiro terá seu valor de maio substancialmente reduzido, com diversos reflexos sobre o valor de junho e os demais meses de 2018.

A poupança brasileira e de uma amostra de países

A taxa de poupança brasileira, aqui definida como a relação poupança bruta/renda disponível bruta,[1] oscilou entre 14 e 19,7% (média de 17,4%) durante o período 2000-2015, na série retropolada (backcasting).[2] No agregado, esta série não apresentou diferenças significativas da série antiga quando se comparam os mesmos períodos (2000-2009) de ambas, como pode ser visto no Gráfico 1 abaixo.

E la nave va!

A pouco mais de um mês de se terem os resultados fechados da atividade econômica do ano passado ainda pairam dúvidas sobre a magnitude do inesperado crescimento do PIB em 2017. Sua taxa, provavelmente, será superior ao 1% até recentemente previsto pelos analistas econômicos. Adicionalmente, quando o IBGE anunciar em março esse resultado do PIB de 2017, as taxas de crescimento atualmente previstas para 2018, que rondam os 3%, tenderão a se elevar, a despeito de toda a confusão eleitoral que teremos durante este ano.

Quem diria?

Há um ano e meio o Brasil atravessava uma turbulência política e uma recessão sem precedentes, com grave ameaça de retorno a taxas de inflação de dois dígitos, que em maio de 2016 era de 9,3%. Quem diria que haveria, ano e meio depois do impeachment de Dilma, analistas econômicos reclamando que o Banco Central exagerou e reduziu demais (abaixo da meta) a taxa de inflação.

Na atividade, copo meio vazio, copo meio cheio

A recente divulgação do indicador de atividade econômica do Banco Central (IBC-Br), com queda na taxa dessazonalizada, ganhou manchetes espetaculares nos jornais, tal como: “a economia brasileira levou mais um tombo no mês de maio”. A despeito de verdadeira, trata-se de uma informação que falseia e esconde alguns resultados positivos.

Sinais de esperança no PIB do 1º tri

Embora previsto, foi com certo desapontamento que o bom resultado do PIB do primeiro trimestre deste ano foi recebido: o PIB cresceu 1% comparado ao quarto trimestre de 2016 e apresentou resultado negativo de 0,4% comparado ao mesmo trimestre do ano anterior. O primeiro número indica uma tendência positiva, embora a velocidade pareça estar superdimensionada.  

Páginas

Subscrever RSS - Claudio Considera