Claudio Considera

Doutor em Economia (UFF), mestre em Economia (UnB), pós-graduado em Análise Econômica (CENDEC/IPEA) e graduado em Economia (UFF). Foi chefe das Contas Nacionais do IBGE (1986-1992), Diretor do IPEA (1992-1998) e Secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda (1999-2002). Atualmente coordena o Núcleo de Contas Nacionais (NCN) da FGV IBRE, sendo um dos autores do Monitor do PIB-FGV e do IAE-FGV.

Cadastro ‘impositivo’ começa a valer

Começou a valer na prática nessa terça-feira (9) o cadastro positivo obrigatório, com a inclusão de informações de pagamentos de todos os consumidores. As instituições financeiras, varejistas e prestadoras de serviços de energia, telecomunicações, gás, entre outras, terão um mês para enviar informações dos consumidores sobre os pagamentos feitos.

Produto potencial, hiato do produto e produtividade total dos fatores

Em continuidade ao post publicado neste blog em 3 de abril do corrente ano, este trabalho analisa o hiato do produto (diferença entre o PIB efetivo e o PIB potencial), entre 1980 e o primeiro trimestre de 2019, revisando a série publicada anteriormente e trazendo alguns detalhes ainda não publicados.

Bolsonaro e a taxa de desemprego do IBGE

Ganhou manchete dos jornais a reação do presidente Bolsonaro à divulgação do número de desempregados revelados pela PNAD Contínua. No trimestre móvel dez-jan-fev, o número de desempregados chega a 13,98 milhões de pessoas desocupadas. No trimestre móvel nov-dez-jan havia sido 12,669 milhões e no trimestre móvel out-nov-dez, 12,195 milhões. Esse resultado dá a falsa impressão que o governo Bolsonaro criou mais desemprego.

Economia continua travada

O PIB brasileiro, recém-divulgado pelo IBGE, cresceu 1,1% em 2018. Apesar de positivo, esse número foi frustrante tendo em vista que a mediana do relatório Focus do Banco Central chegou a ser de 2,92%, no início de 2018. Esse resultado é ainda mais decepcionante quando se constata que, após dois anos de encerrada a recessão, a economia está longe do nível de atividade que apresentava anteriormente.

A complexa questão do deflator do PIB (parte 2)

Este texto é a continuação do post sobre “A complexa questão do deflator do PIB (Parte 1)”, divulgada neste blog em 12/11 (em resposta a colocações do colega Bráulio Borges de que o PIB  brasileiro vem sendo subestimado nos últimos 20 anos, o que estaria ligado ao fato de que o deflator do PIB tem sido superior ao IPCA em média em 1,5%).

O consumidor deve ter voz e voto no Cade

A economia política nos ajuda a explicar por que, a despeito de a política antitruste no Brasil ter sido implantada desde 1994 e modernizada em 2011, ela nem sempre foi focada nos objetivos tradicionais da teoria que enfatiza a eficiência econômica e o bem-estar do consumidor. Ajuda também a explicar por que o receio de que seu quadro de juízes (o plenário do CADE), com duas raras exceções, não necessite ser “capturado” pelos processados, já que são por eles próprios nomeados.

Páginas

Subscrever RSS - Claudio Considera