Claudio Considera

Doutor em Economia (UFF), mestre em Economia (UnB), pós-graduado em Análise Econômica (CENDEC/IPEA) e graduado em Economia (UFF). Foi chefe das Contas Nacionais do IBGE (1986-1992), Diretor do IPEA (1992-1998) e Secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda (1999-2002). Atualmente coordena o Núcleo de Contas Nacionais (NCN) da FGV IBRE, sendo um dos autores do Monitor do PIB-FGV e do IAE-FGV.

Retrato de uma tragédia – a estagnação econômica brasileira*

1. A tragédia da estagnação econômica brasileira

A decisão de iniciar este texto com os dois gráficos autoexplicativos acima teve como objetivo evidenciar o desastre econômico e social que o país está passando desde que se iniciou a recente recessão que durou do segundo trimestre de 2014 ao quarto trimestre de 2016.

Cadastro ‘impositivo’ começa a valer

Começou a valer na prática nessa terça-feira (9) o cadastro positivo obrigatório, com a inclusão de informações de pagamentos de todos os consumidores. As instituições financeiras, varejistas e prestadoras de serviços de energia, telecomunicações, gás, entre outras, terão um mês para enviar informações dos consumidores sobre os pagamentos feitos.

Produto potencial, hiato do produto e produtividade total dos fatores

Em continuidade ao post publicado neste blog em 3 de abril do corrente ano, este trabalho analisa o hiato do produto (diferença entre o PIB efetivo e o PIB potencial), entre 1980 e o primeiro trimestre de 2019, revisando a série publicada anteriormente e trazendo alguns detalhes ainda não publicados.

Bolsonaro e a taxa de desemprego do IBGE

Ganhou manchete dos jornais a reação do presidente Bolsonaro à divulgação do número de desempregados revelados pela PNAD Contínua. No trimestre móvel dez-jan-fev, o número de desempregados chega a 13,98 milhões de pessoas desocupadas. No trimestre móvel nov-dez-jan havia sido 12,669 milhões e no trimestre móvel out-nov-dez, 12,195 milhões. Esse resultado dá a falsa impressão que o governo Bolsonaro criou mais desemprego.

Economia continua travada

O PIB brasileiro, recém-divulgado pelo IBGE, cresceu 1,1% em 2018. Apesar de positivo, esse número foi frustrante tendo em vista que a mediana do relatório Focus do Banco Central chegou a ser de 2,92%, no início de 2018. Esse resultado é ainda mais decepcionante quando se constata que, após dois anos de encerrada a recessão, a economia está longe do nível de atividade que apresentava anteriormente.

A complexa questão do deflator do PIB (parte 2)

Este texto é a continuação do post sobre “A complexa questão do deflator do PIB (Parte 1)”, divulgada neste blog em 12/11 (em resposta a colocações do colega Bráulio Borges de que o PIB  brasileiro vem sendo subestimado nos últimos 20 anos, o que estaria ligado ao fato de que o deflator do PIB tem sido superior ao IPCA em média em 1,5%).

Páginas

Subscrever RSS - Claudio Considera