Juliana Trece

Doutoranda em População, Território e Estatísticas Públicas pela Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE IBGE), Mestre em Economia Empresarial pela Escola Brasileira de Economia e Finanças (FGV EPGE) e bacharel em Economia pela Universidade Federal Fluminense (UFF). É economista do Núcleo de Contas Nacionais do FGV IBRE sendo a analista responsável pela elaboração mensal do Monitor da Atividade Econômica (Monitor do PIB-FGV e IAE-FGV) do qual é uma das autoras.

Impacto da saúde no PIB do primeiro semestre

O surgimento da pandemia de Covid-19 no Brasil, e a consequente necessidade de adoção das recomendações de isolamento social para diminuir o ritmo de contágio do vírus, impactou direta e indiretamente quase todas as atividades econômicas. Neste texto busca-se compreender como as fortes retrações do valor adicionado das atividades de saúde pública e privada, que foram diretamente afetadas pela pandemia, contribuíram para a retração do PIB no primeiro semestre do ano.

O desempenho da economia brasileira no 2º trimestre de 2020

A pandemia de Covid-19 alterou rapidamente o cenário das economias ao redor do mundo. Diversos países entraram em crise quase instantaneamente, o que resultou em uma grave recessão econômica mundial de caráter inédito de acordo com o FMI. A expectativa de crescimento da economia brasileira que era, no início do ano, em torno de 2,3%, segundo a mediana do Boletim Focus do Banco Central, tornou-se negativa ao final de março e atualmente está em -5,3%.

O comportamento da atividade de Outros Serviços, a que mais aglomera, na atual recessão

A recessão iniciada no 1º trimestre deste ano, de acordo com o CODACE,[1] em decorrência da pandemia de Covid-19, trouxe diversos recordes negativos para a economia brasileira. Além de ser a primeira vez em que entramos em recessão sem termos recuperado completamente a perda da recessão anterior, a retração de 8,7% do PIB no 2º trimestre, divulgada no Monitor do PIB-FGV, é a maior desde 1980.

O maior hiato de todos os tempos

O hiato do produto alcançou o recorde de -14,1% no segundo trimestre deste ano, conforme pode ser observado no Gráfico 1 abaixo. Esse número foi estimado a partir das estimativas mensais do Monitor do PIB-FGV e de informações de previsão para séries do período ainda não publicadas. Como resultado, esse exercício estimou, para o segundo trimestre, uma queda de 9,4%[1] na comparação com o trimestre imediatamente anterior e de 11,2% na comparação interanual.

Economia brasileira cairá no 2º trimestre mais que em qualquer período recessivo dos últimos 40 anos

A pandemia deixará cicatrizes nas economias mundo afora que serão mais ou menos profundas a depender, dentre outros aspectos, das condições econômicas e sociais anteriores à crise. Nesse quesito, a economia brasileira possui grande desvantagem. Dos 8,1% de perda acumulada durante a última recessão, que foi uma das mais severas de nossa história, havíamos recuperado apenas 5,3% quando a COVID-19 chegou no Brasil e trouxe recordes de retração nos principais indicadores econômicos do país.

Páginas

Subscrever RSS - Juliana Trece